Please reload

Posts Recentes

Vinho seco e vinho suave, qual a diferença?

July 18, 2019

1/5
Please reload

Posts Em Destaque

A História do Vinho

February 19, 2017

Separamos 100 fatos e personalidades que foram importantes para a construção da história do vinho, desde a antiguidade até os dias de hoje. Os relatos que serão encontrados nessa matéria possuem informações sobre os primeiros vinhedos plantados no mundo, a origem dos primeiros Clos, a revolução das garrafas, o crescimento da Cabernet Sauvignon e a primeira avalialção de vinhos no Brasil.

 

7.000 a 5.000 A.C.

As primeiras vinhas do mundo

As mais antigas vinhas cultivadas no mundo foram encontradas na Geórgia, na região do Cáucaso, e datam da Idade da Pedra. Cientistas acreditam que esses são os primeiros indícios de viticultura, ou seja, de um plantio organizado feito pelo homem. Acredita-se que os vinhos tenham surgido também nesse período, apesar de as primeiras prensas e outros equipamentos vitivinícolas terem sido encontrados na Armênia em 4.000 a.C.

 

1.800 A.C.
Os primeiros escritos sobre vinho

Uma das obras literárias mais antigas da humanidade, o Gilgamesh (uma série de poemas e lendas sumérias compiladas por volta do século VII a.C.), tem um trecho, a tábua 10, que trata da fabricação do vinho. O primeiro livro da Bíblia, o Gênesis, conta que Noé se tornou lavrador e plantou um vinhedo. O Talmude, livro sagrado dos judeus, também fala sobre vinho.

 

1.500 A.C.
As primeiras ânforas

Ânfora, em grego, significa algo que pode ser carregado por duas pessoas. Historiadores apontam que isso foi uma invenção dos cananeus, povo que habitava uma região do Oriente Médio e que introduziu esse recipiente propício para transportar vinho (e também outros produtos) no Egito por volta de 1.500 a. C. As ânforas foram usadas para transportar e armazenar vinho por séculos até quase a Idade Média.

 

750 A.C.
A odisseia do vinho

Estima-se que o poeta grego mais famoso da antiguidade, Homero, viveu por volta do século VIII a.C. Suas narrativas épicas, tanto a história da Guerra de Troia, na Ilíada, quanto as aventuras de Ulisses, na Odisseia, trazem relatos de consumo e produção de vinho na época. Nas aventuras de Ulisses, por exemplo, é citado o vinho de Maro, doce e forte, o qual o herói usou para adormecer o ciclope Polifemo.

 

404 A.C.
Estreia das Bacantes

Uma das peças de teatro mais famosas sobre o deus Baco, ou Dionísio, as Bacantes foi escrita pelo teatrólogo grego Eurípides e teve estreia póstuma (o autor morreu um ano antes). A obra trata da vingança de Dionísio ao ser rejeitado por sua família humana (ele é filho de Zeus com uma mulher). Também é a primeira obra que relaciona o deus diretamente ao vinho.

 

60 A.C.
Júlio César e o nascimento dos Romanées

Júlio César, um dos maiores estrategistas de guerra de todos os tempos, expande o Império Romano até a Bretanha. Nessa época, o imperador também define uma lei agrária e presenteia seus generais com terras na Gália, região recém-conquistada. Daí surgiriam os vinhedos Borgonheses chamados romanées, como o Romanée-Conti, por exemplo.

 

 

65 D.C.
Lúcio Columella e os fundamentos da viticultura

Lúcio Columella, espanhol de Cadiz, escreveu o mais completo manual de agricultura até então, De Re Rustica, sobre assuntos do campo. Tudo sobre viticultura está em seu livro. Nele, o autor afirma que a vinha é a forma mais lucrativa de agricultura e detalha todos os processos, desde a poda até a colheita. Muitas das técnicas descritas ainda são utilizadas nos dias atuais.

 

77 D.C.
Plínio, o Velho

Em seu Naturailis Historia, Plínio, o Velho, compilou boa parte do conhecimento científico da época. Nos capítulos sobre agricultura, ele cita os grandes vinhos de Roma, técnicas de vinificação e as qualidades medicinais da bebida. Ele também formula uma das primeiras visões de terroir, dizendo que lugares singulares poderiam dar vinhos únicos.

 

169 D.C.
A primeira compilação
de vinhos

Médico de Marco Aurélio, Galeno compilou todas as informações sobre vinhos na época em um tratado chamado De Antidotis, que originalmente foi escrito com o intuito de listar as misturas de vinhos com drogas para evitar o envenenamento do imperador romano. Seu livro pode ser considerado a primeira compilação de vinhos do mundo, assim como também contém as primeiras resenhas, pois Galeno dizia como avaliar os vinhos, armazená-los e envelhecê-los.

 

200 D.C.
Invenção dos barris

As ânforas só foram substituídas pelos barris no transporte de vinhos já no fim do Império Romano, o começo da Idade Média. Acredita-se que as barricas de transporte de vinho foram inventadas pelos celtas quando esses passaram a vender vinho para a Itália. A arte da tanoaria pouco se modificou com o passar dos tempos e a estrutura dos barris de hoje é muito semelhante à dos primeiros barris.

800 D.C.
Carlos Magno

Carlos Magno foi o principal nome da Idade Média. Ele ajudou a “organizar” o norte da Europa, todo fragmentando depois do fim do Império Romano. Entre suas realizações, promulgou leis agrárias, especialmente as ligadas ao vinho, com rígidas normas para a produção. Mais do que isso, ele pessoalmente mandou cultivar vinhas em locais específicos. Grande possuidor de terras, deu nome a vinhedos como, por exemplo, Corton-Charlemagne, na Borgonha.

 

1048
Omar Khayyam
E o Rubaiyat

Apesar de os preceitos islâmicos proibirem o vinho, alguns árabes se “rebelaram”, como Omar Khayyam. Ele foi um dos maiores cientistas de sua época, capaz de elaborar um calendário muito mais preciso do que o gregoriano. Porém, para o mundo do vinho, sua grande contribuição foi a obra Rubaiyat, uma longa série de quartetos em homenagem à bebida.

 

1112
Monges cistercienses

Bernardo de Fontaine funda a ordem que revolucionou os vinhedos da Borgonha, os monges cistercienses. Seus discípulos eram jovens e devotos ao trabalho árduo, tanto que a expectativa de vida era de 28 anos. Eles se dedicaram à vitivinicultura desde a fundação, após terem recebido o primeiro vinhedo em Meursault. Acredita-se que eles foram os primeiros a plantar Chardonnay em Chablis. Eles também estabeleceram o conceito de Cru.

 

1154
Bordeaux passa para
o domínio inglês

Em 1152, Leonor da Aquitânia, ex-rainha da França, casa-se com Henrique Plantagenet, que se tornou Henrique II da Inglaterra dois anos depois. Isso marca a história de Bordeaux definitivamente. Anos depois, os comerciantes bordaleses passaram a fornecer vinho para a corte britânica, sob o reinado de João Sem Terra, filho de Leonor. As constantes disputas entre França e Inglaterra pela região duraram séculos, até o fim da Guerra dos Cem Anos, quando Bordeaux finalmente voltou para o domínio francês, mas então seus vinhos já eram um sucesso na Inglaterra.

 

1220
A batalha dos vinhos

O “primeiro concurso internacional de vinhos” de que se tem notícia foi organizado pelo rei Filipe Augusto, da França, por volta de 1220. Na ocasião, ele queria saber qual era o melhor vinho do mundo e mandou seus mensageiros buscarem bebidas por todas as partes do globo. A prova, que elegeu o vinho do Chipre – provavelmente o Commandaria –, foi eternizada no célebre poema de Henry d’Andeli.

 

1308
A origem de Châteauneuf-du-Pape

O papa Clemente V, influenciado pelo rei da França, levou a sede do papado para Avignon. Os soberanos católicos ficaram lá por 70 anos e os vinhedos em torno de sua nova sede, chamada Châteauneuf-du-Pape, deram origem a um vinho famoso até os nossos dias. Clemente ainda seria homenageado com um vinhedo em Bordeaux, onde hoje está o Château Pape Clement.

 

1336
Os primeiros Clos

A influência dos monges cistercienses na Borgonha foi determinante. No começo do século XIV, eles adquiriram o vinhedo de Clos de Vougeot, que se tornaria o vinho mais famoso da região por séculos, e construíram os muros em torno dele no ano de 1336. Vougeot, com pouco mais de 50 hectares, é o maior vinhedo único da Côte de Nuits e um dos primeiros Clos.

 

1487
Regulamentado
o uso do enxofre

Um decreto real na Alemanha permitiu e regulou a adição de enxofre no vinho pela primeira vez em 1487. A prática para ajudar na conservação e higienização do vinho era antiga, conhecida e utilizada provavelmente desde o Império Romano. Porém, foi a primeira vez que foi “normatizada” por lei.

 

1550
As primeiras vinhas no Novo Mundo

Os colonizadores espanhóis e portugueses começam a chegar e trazer consigo vinhas, pois o vinho vindo da Metrópole não era capaz de suportar a longa viagem da Europa para a América. Um dos primeiros conquistadores, Hernán Cortés solicitou que os donos de terras no México plantassem videiras. Durante anos, vinhos do México e do Peru abasteceram as colônias espanholas.

 

1552
Brás Cubas,
O primeiro viticultor do Brasil

Em março de 1532, um fidalgo chamado Brás Cubas, nascido na cidade do Porto, torna-se o primeiro viticultor do Brasil. Após fundar a Vila de Santos, ele manda cultivar cepas trazidas de Portugal nas encostas da Serra do Mar, onde hoje se localiza a cidade de Cubatão. O empreendimento não deu muito certo, então ele subiu a serra e os primeiros vinhedos que merecem menção foram cultivados próximos de Taubaté.

 

1630
A revolução das garrafas

Apesar de as primeiras garrafas de vidro serem bastante antigas, foi somente durante a Revolução Industrial que surgiram as primeiras de produção em série com qualidade e baratas o suficiente para transformar a indústria do vinho. Surgia um modo seguro de vedar a bebida. Acredita-se que o inventor da garrafa de vinho cilíndrica (com vidro mais resistente e translúcido), como hoje a conhecemos, foi o inglês Kenelm Digby, por volta de 1630.

 

1650
Nascimento da Cabernet Sauvignon

Acredita-se que a Cabernet Sauvignon, dita rainha das uvas, teria nascido acidentalmente em meados do século XVII devido a um cruzamento entre a Cabernet Franc e a Sauvignon Blanc. No século XVIII, porém, ela já era uma das variedades mais importantes de Bordeaux, na época conhecida como Petite Vidure.

 

1663
A primeira menção a um château

Samuel Pepys, um funcionário público inglês que viveu no final do século XVII, ficou famoso por manter um diário contando sua vida. Em uma das passagens, em 10 de abril de 1663, aos 30 anos, ele conta que passou a noite bebendo em uma taverna e traz uma nota sobre a degustação de um vinho peculiar, que ele chamava de Ho Bryan. Era o Château Haut-Brion, o primeiro vinho de Bordeaux comercializado com o nome da propriedade onde era fabricado.

 

1668
Dom Pérignon

Dom Pérignon é nomeado tesoureiro da abadia de Hautvillers em 1668. O monge era um perfeccionista e, para gerar mais renda com o vinho, aprimorou a produção criando inúmeras regras com o intuito de dar mais qualidade ao produto. Apesar do sucesso da efervescência do Champagne, Pérignon, na verdade, queria evitar as borbulhas. Ainda assim, por ter introduzido as normas de cultivo e vinificação (sintetizadas em 1718), é tido como pai de Champagne.

 

1679
Vin de Constantia

As primeiras vinhas sul-africanas surgiram em 1654, compradas por Johan van Riebeeck. No entanto, o vinho sul-africano se tornará famoso a partir de 1679, quando Simon van der Stel desenvolveu o distrito de Constantia e o transformou em um dos vinhos mais desejados do mundo, tendo a mesma reputação dos Tokaji na época. Chegou a ser o vinho preferido de Napoleão Bonaparte antes de cair no esquecimento.

 

1681
Primeira menção ao saca-rolha

As garrafas de vinho já estavam sendo produzidas e já se sabia que a rolha de cortiça era a melhor forma de vedá-las, mas a maneira de retirá-las ainda era rudimentar. Antes de existir o saca-rolhas, a cortiça não era enfiada totalmente no gargalo para poder ser tirada com a mão. A primeira menção a um “parafuso de aço para retirar rolhas” é de 1681 e a palavra saca-rolhas só foi cunhada em 1720.

 

1697
O príncipe
das vinhas

Nicolas-Alexandre, Marquês de Segur, foi o mais poderoso regente de Bordeaux e chegou a possuir algumas das mais famosas propriedades da época como Lafite, Latour, Mouton, Calon-Segur, entre outras. Seus vinhos eram admirados tanto na corte inglesa quanto na francesa, a ponto de ser alcunhado como “Príncipe das Vinhas” pelo rei Luís XV.

 

1748
Redescoberta de Pompeia

As primeiras escavações que redescobriram Pompeia soterrada são de 1599, mas somente em 1748 a cidade passou a ser desenterrada e estudada arqueologicamente. As descobertas ajudaram os cientistas a entender melhor a vida do período do Império Romano e também a história do vinho, já que foram encontradas jarras e até mesmo locais de possíveis vinhedos.

 

1756
Marquês de Pombal
e a primeira região demarcada

Portugal atravessava um momento difícil em meados do século XVIII. Em 1755, um terremoto destruiu Lisboa por completo. Porém, graças ao Marquês de Pombal o país se reergueu. Para ajudar a financiar a reconstrução da capital, ele criou algumas companhias de comércio entre elas A Companhia do Vinhos do Douro, regulando o mercado e estabelecendo o que os portugueses dizem ser a primeira região demarcada do mundo delimitadas pelos famosos marcos pombalinos.

 

1770
Retour des Indes

A maioria dos vinhos não suportava bem as viagens transatlânticas, porém, por acidente (um carregamento de vinho não foi entregue no destino e voltou para a Europa), percebeu-se que alguns fortificados, como o Madeira, não somente não estragavam, como melhoravam em seu trajeto para as “Índias”. Assim nasceram os vinhos “Retour des Indes” (Retornados das Índias), uma coqueluche que durou até o fim da Era das Navegações.

 

1775
Spätlese

Em 1716, o vinhedo Schloss Johannisberg – criado nos tempos de Carlos Magno – foi o primeiro plantado somente com Riesling. Anos mais tarde, em 1775, neste vinhedo ocorre também a primeira vindima tardia, chamada de Spätlese. Surgia o conceito das colheitas tardias para produzir vinhos naturalmente doces, um marco da vitivinicultura alemã.

 

1784
Thomas Jefferson

Em 1784, Thomas Jefferson chegou à França como comissário do governo dos Estados Unidos. Em suas viagens pelo interior do país, passou a apreciar e anotar os melhores vinhos que provava, dividindo-os em categorias, esboçando o que, anos mais tarde, viria a se tornar uma classificação. Sua paixão fez com que solicitasse grandes encomendas dos principais vinhos franceses da época para o governo norte-americano (e para si mesmo) e com que tentasse desenvolver a vitivinicultura nos Estados Unidos.

 

1785
Proibida produção
de vinhos no Brasil

A produção de vinho no Brasil cresceu paulatinamente, mas em 5 de janeiro de 1785, a rainha Dona Maria I (A Louca) baixou um alvará proibindo toda a atividade manufatureira na colônia. Isso sepultou a jovem indústria vitivinícola daqui.

 

1789
Revolução Francesa

A Revolução Francesa transformou totalmente a França, causando transtornos políticos que afetaram também o mundo do vinho. Entre as principais mudanças está a desapropriação de enormes propriedades da Igreja, incluindo o confisco dos vinhedos pelo Estado especialmente na Borgonha, que seriam vendidos para aristocratas franceses. O Código Napoleônico, com sua nova lei de heranças (que tirava o privilégio dos primogênitos), também deixou marcas na vitivinicultura da França, fazendo com que as propriedades se subdividissem entre todos os filhos.

 

1808
Família Real no Brasil

A vinda da família real portuguesa para o Brasil, fugindo do ataque de Napoleão na Europa, fez com que o veto à produção de vinho fosse derrubado por Dom João VI e, mais do que isso, inaugurou uma nova era de muitos eventos sociais em que o vinho sempre estava presente.

 

1801
Chaptalização

Em 1801, Jean-Antoine Chaptal publica o “Traité théorique et pratique sur la culture de la vigne”, o primeiro tratado moderno sobre vitivinicultura. Apesar de ele ter ficado conhecido pelo processo de chaptalização – adição de açúcar ao mosto para aumentar o teor alcoólico do vinho –, sua obra sistematiza os mais diversos processos vitivinícolas no intuito de ajudar os vinhateiros a melhorar a qualidade.

 

1811
Safra do cometa

Não há quem confirme ou negue qualquer influência sobre a viticultura em anos em que cometas riscam os céus do planeta, porém, desde 1811, na passagem do grande cometa Flaugergues, as safras em que cometas são avistados são consideradas históricas. Naquele ano, depois de diversas safras fracas, a passagem do cometa foi tida como uma bênção e diversos produtores colocaram a data da safra nos rótulos. Considera-se que aquele ano foi o primeiro Vintage de regiões como Champagne em que comumente os vinhos são feitos com blends de diferentes safras.

 

1820
Veuve Clicquot
e a remuage

Foram diversos os produtores que influenciaram a produção de Champagne, mas ninguém como a viúva Nicola Barbe Clicquot Ponsardin. Foi ela quem desenvolveu o sistema de remuage para tirar os sedimentos de leveduras mortas da garrafa e o manteve em segredo até 1820. Foi somente depois de conhecida essa técnica que Champagne se tornou uma indústria de verdade.

 

1816
O primeiro
guia de vinhos do mundo

Para muitos, André Jullien foi o primeiro crítico de vinhos do mundo. Em 1816, ele publicou um trabalho chamado Topographie de tous les Vignobles Connus em que, ambiciosamente, catalogou todos os vinhos do mundo e é a base da moderna literatura de vinhos. Sua obra classifica os vinhos em cinco categorias de qualidade e lista bebidas não somente da Europa, mas da Ásia, África e América praticamente desconhecidas.

 

1844
Ferreirinha

D. Antónia Adelaide Ferreira, conhecida como Ferreirinha, foi a grande dama do vinho português. Quando ficou viúva, decidiu investir em suas propriedades no Douro, plantando vinhas, adquirindo novas quintas, lutando contra pragas, contratando colaboradores etc. Criou um império, mas, antes de tudo, também ajudou no desenvolvimento do Douro, sendo respeitada por suas obras de caridade e filantropia.

 

1846
Primeiro Champagne Brut

Até meados do século XIX, os Champagnes eram extremamente doces com cerca de 150 gramas (ou mais) de açúcar na garrafa. Em 1848, um comerciante inglês provou um Champagne Perrier-Jouët da safra 1846 “nature”, não adoçado, e imaginou que havia mercado para vinhos menos adocicados na Inglaterra. Nasciam os primeiros Brut, que ainda assim tinham cerca de 30 gramas de açúcar, mais que o dobro de hoje.

 

1850
Barolo

Durante a década de 1850, o Barolo, como hoje o conhecemos, começou a tomar forma. Até então, ele tinha sido um vinho doce sem qualquer prestígio. Na época, o Marquês Falleti, de Barolo, recrutou um enólogo francês, Louis Oudart, para mudar isso. Ele ajudou a transformar o Barolo em uma bebida seca que poderia envelhecer por anos, no estilo de Bordeaux.

 

1851
Oídio

Antes da filoxera, os vinhedos da Europa já estavam sendo ameaçados por outra praga que vinha devastando as paisagens vitivinícolas. O oídio surgiu em Bordeaux em 1851 e foi a primeira doença de grandes proporções. Apesar de ter durado pouco, ela fez com que houvesse u